Quem nunca usou a expressão “vou queimar o bacon” na hora de se exercitar? Frequentemente o bacon é associado a muita gordura, a algo que pode fazer mal à saúde, mas se for consumido de forma consciente, pode sim fazer parte da dieta.

O bacon é um corte de carne que passa pelo processo de defumação. Geralmente, consumimos o bacon da barriga de porco, mas outros cortes podem ser utilizados e até mesmo de outras origens, como o bacon de peru, de carne bovina…

Bacon: vilão ou mocinho?

Gorduras

As gorduras presentes no bacon, e bem visíveis, não trazem tantos danos como parecem. Cerca de 50% da gordura do bacon é monoinsaturada, como a gordura do azeite de oliva, e a parte da gordura que é saturada, um pouco menos da metade, é semelhante ao óleo de coco. O restante da gordura é poliinsaturada.

O consumo de gordura insaturada, que também pode ser encontrada em peixes e no abacate, por exemplo, aumenta o índice de HDL (conhecido como o colesterol bom), e nivela os índices de LDL (conhecido como colesterol ruim).

As gorduras também possuem vitaminas, e dietas pobres em gorduras podem causar a deficiência delas, como vitamina A, D, E, que atuam na coagulação do sangue, na construção óssea e no sistema imunológico.

Nenhum alimento é vilão ou mocinho, pois tudo em excesso ou em escassez pode trazer prejuízos à saúde, por isso, buscar uma rotina equilibrada e moderada é sempre a melhor opção.

Nutricionista CRN 15164 • Pós em Nutrição Funcional, Clínica e Esportiva - Áreas de atuação: • Nutrição e Saúde da Mulher • Emagrecimento Consciente • Organização e Praticidade

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *